terça-feira, 2 de junho de 2020

A República dos Ruminantes

É inacreditável, mas juro que é verdade: alguns governos estaduais e municipais estão querendo flexibilizar a quarentena e reabrir o comércio não essencial em meio a uma curva ascendente de contágio que, pelo menos é o que diz a OMS, ainda NEM chegou ao pico.

Um aviso aos leitores do futuro: é o ano de 2020 e tem muita coisa acontecendo. No momento em que escrevo, por exemplo, er... bem, estamos em meio a uma pandemia global de uma nova espécie de coronavírus, e o mundo inteiro protesta enfurecido contra o racismo (sim, é verdade o que seus professores disseram, nós ainda discutíamos o racismo em 2020). Para piorar, veja bem, o presidente do Brasil, ele, bom, você também deve ter estudado sobre isso. Juro que é tudo verdade. E sim, foi bem pior do que vocês imaginam.

Voltando. Não fosse no Brasil, ninguém acreditaria. “Como assim reabrir as lojas de material de pesca? Como assim reabrir as boates?!” Mas é no Brasil, a República dos Ruminantes, e aqui, meus amigos, o absurdo caminha do avesso.

E brasileiro velho de guerra que sou, calejado que estou de tanta brasilidade, a verdade é que não me surpreendo. Sou brasileiro, e nada do que é brasileiro me é estranho... Quer dizer, exceto, talvez, nossos risos. Juro: houve um tempo em que, intrigado com tantas gargalhadas, me convenci de que o brasileiro ria, na verdade, de desespero. Mas isso passou, admito a derrota da razão: o brasileiro ri mais do que qualquer outro povo, e isso não se explica.

Outro aviso aos leitores do futuro: em 2020 ainda insistimos, cada vez mais desesperançados, que o Brasil é o país do futuro, então caso ainda não o sejamos aí no presente de vocês, façam o favor de desistir de uma vez por todas dessa sandice. Foi loucura do Stefan Zweig, ele até se matou por causa disso. Um dia viu pessoas acreditando nessa história, foi pra casa e se entupiu de soporíferos. Ele e a esposa, ambos convencidos de que ninguém nesse país é capaz de entender uma boa piada.

Voltando a 2020: vocês viram que o Namorado-da-Mãe-do-Neymar (é este o nome do garoto, por isso as maiúsculas) sofreu um acidente? Pois é, deu até ambulância.

Leitores do futuro: é que somos muito apegados aos nossos heróis nacionais e o mundo que os cerca em 2020. Peço desculpas.